Mês: Março 2023

Os ritos da Semana Santa

Os ritos da Semana Santa

A Páscoa é a festa mais importante para os cristãos e é celebrada em todo o mundo. Os rituais que a marcam estão espalhados pela chamada Semana Santa. Vamos ver o que acontece dia após dia. A Semana Santa é o período de sete dias…

A lavagem dos pés, o gesto simbólico do amor de Deus

A lavagem dos pés, o gesto simbólico do amor de Deus

A lavagem dos pés é um dos maiores gestos de amor de Deus. Foi assim que aconteceu e como se repete todos os anos entre os ritos da Quinta-feira Santa Há um episódio particular que é recontado em apenas um dos quatro Evangelhos. É a…

Anunciação do Senhor: porque celebramos o 25 de Março

Anunciação do Senhor: porque celebramos o 25 de Março

No dia 25 de Março celebramos a Anunciação do Senhor, uma festa dedicada a Jesus, mas igualmente a Sua mãe Maria, que está indissoluvelmente ligada a Ele. Vamos descobrir porquê.

Poucas festas cristãs podem ostentar a importância religiosa da Anunciação do Senhor. Na verdade, ela está no centro da história da salvação, pois representa o início dos novos tempos, da nova aliança entre Deus e o homem. É com a Anunciação que se põe em marcha o plano divino que culminará com o nascimento de Jesus, e especialmente com a sua morte e ressurreição.

Mas de que se trata tudo isto?

O termo ‘Anunciação’ descreve o encontro entre Maria e o Arcanjo Gabriel, na pequena aldeia de Nazaré. Foi um encontro destinado a mudar completamente o destino da humanidade, pois foi nessa ocasião que o Arcanjo, mensageiro de Deus, anunciou à jovem o iminente nascimento do Messias.

É do mistério da Encarnação do Verbo que estamos falando, ou seja, a crença de que Jesus Cristo encarnou no ventre da Virgem Maria. É por isso que a Anunciação foi chamada antigamente de Festa da Divina Encarnação. Um conceito inescapável para os cristãos, que no entanto gerou muita discordância na antiguidade. Finalmente, depois de propostas e dissertações sobre a Encarnação e a natureza de Jesus que foram discutidas no Primeiro Concílio de Nicéia em 325, no Concílio de Éfeso em 431 e no Concílio de Calcedônia em 451, foi declarado que Jesus era plenamente Deus, e como tal a encarnação da segunda pessoa da Santíssima Trindade, gerada e não criada pelo Pai, e plenamente homem, nascido da Virgem Maria, feito carne. Qualquer coisa que divergisse deste pensamento era definida como heresia.

Santíssima Trindade significado e representação iconográfica

Leia também:

Santíssima Trindade: significado e representação iconográfica
O conceito da Trindade resume a doutrina fundamental da Igreja Católica

 

A Festa da Anunciação é celebrada no dia 25 de Março por uma série de razões. Teorias antigas, já debatidas nos séculos VI e VII, sustentavam que tanto a Encarnação do Verbo como a criação do mundo ocorriam no equinócio da primavera, que gira em torno dessa data. Muito simplesmente, se contarmos o dia 25 de Dezembro como a data do nascimento de Jesus, só precisamos de recuar nove meses para encontrar a data indicativa da sua milagrosa concepção.

Um aspecto fundamental que devemos considerar ao falar da Anunciação do Senhor é a sua natureza dupla como festa dedicada a Jesus, mas também como uma festa mariana. A Anunciação representa talvez o momento mais alto e mais importante do encontro entre o humano e o divino, e por isso ambos os protagonistas têm o mesmo valor. Maria simboliza a espera de Israel que finalmente encontra o seu cumprimento na chegada do Salvador. A aceitação do destino que Deus quer para ela, a obediência com que se confia à Sua vontade e, sobretudo, o imenso amor que a distingue deste momento em diante, estão inextricavelmente ligados à obra salvífica de seu Filho. Em Maria, a Salvação já é uma realidade, no mesmo instante em que a sua promessa é proferida: “Eis que conceberás um filho, dar-lhe-ás à luz e chamar-lhe-ás Jesus”. Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo; o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi, e reinará sobre a casa de Jacó para sempre, e o seu reino não terá fim”. (Lucas 1:31-33). Assim, segundo Lucas, o anjo anuncia a Maria a vinda de Cristo Rei, Rei de Israel, Rei dos reis, Rei da Terra, Rei das nações, como está escrito nas antigas profecias sobre o Messias que os judeus esperavam.

Anunciação do Senhor, portanto, mas também Anunciação da Santíssima Virgem Maria, como a festa era conhecida no passado.

Mas vejamos com mais detalhes o que Lucas disse sobre a Anunciação.

Evangelho da Anunciação de Lucas

A Anunciação é narrada de forma muito diferente no Evangelho segundo Mateus e no Evangelho segundo Lucas. Vamos nos concentrar principalmente na versão de Lucas, aquela em que o Arcanjo vai até Maria para lhe trazer o anúncio de sua iminente gravidez. No Evangelho segundo Mateus, por outro lado, é a José que um anjo vai contar-lhe num sonho para não repudiar a sua esposa engravidada pelo Espírito Santo.

Aqui está o que Luca escreve:

26 No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27 a uma virgem desposada com um homem da casa de Davi, chamado José. O nome da virgem era Maria 28 Ao aproximar-se dela, disse: ‘Saúdo-te, ó cheia de graça, o Senhor é contigo’. 29 A estas palavras ela ficou perturbada e se perguntava qual seria o significado de tal saudação. 30 O anjo disse-lhe: “Não temas, Maria, porque encontraste graça com Deus”. 31 Eis que conceberás um filho, dar-lhe-ás à luz e chamar-lhe-ás Jesus. 32 Ele será grande e chamado Filho do Altíssimo; o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai 33 e ele reinará sobre a casa de Jacó para sempre, e o seu reino não terá fim”. 34 Então Maria disse ao anjo: “Como isso é possível? Eu não conheço nenhum homem.” 35 O anjo respondeu-lhe: “O Espírito Santo descerá sobre ti; o poder do Altíssimo estenderá a sua sombra sobre ti”. Aquele que vai nascer será, portanto, santo e chamado Filho de Deus. 36 Veja, até Isabel, sua parente, na sua velhice concebeu um filho, e este é o sexto mês para ela, que todos diziam ser estéril: 37 nada é impossível a Deus. 38 Então disse Maria: Eis que eu sou a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo partiu dela.  (Lucas 1:26-38)

Basta ler esta passagem evangélica para compreender a importância da Anunciação para todos os cristãos. Foram realizados inúmeros estudos sobre cada frase, cada passagem desta passagem. Certamente não pretendemos esgotar em um único artigo todas as infinitas implicações, desde linguísticas até teológicas.

Aproximamo-nos dele com simplicidade e humildade, como Maria, uma virgem desposada com um homem, José, que, na presença de Gabriel, um dos arcanjos pertencentes à terceira hierarquia da corte celeste, um anjo que tem o poder de Deus em seu próprio nome, pois seu nome significa “Deus se manifesta como forte poderoso e omnipotente”, é a princípio perturbado, apenas pela saudação estrondosa com que ele se dirige a ela. Aquela cheia de graça que conhecemos tão bem graças à oração da Ave Maria, e que vem do grego kecharitòmene, um termo que expressa a graça máxima que alguém pode encarnar. Mas o próprio nome de Maria expressa um significado que vai além do próprio nome, pois em aramaico significa “princesa, senhora, rainha”, em hebraico “aquela que vê e faz ver (o que não pode ser visto)”, e em egípcio “aquela que é amada por Deus”.

Então ela fica tranquila, quando o anjo lhe diz que não precisa temer, pois está na graça de Deus, e quando lhe é anunciado que do seu ventre nascerá o Rei que todos esperam, ela fica maravilhada em sua simplicidade, pois ainda não conheceu o homem.

O anjo tranquiliza-a e para lhe dar um sinal da veracidade das suas palavras diz-lhe que a sua parente Isabel também está grávida, apesar da sua idade avançada, e em breve dará à luz, pois nada é impossível a Deus.

E neste ponto Maria não tem mais dúvidas, não hesita: ‘Eis que eu sou a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra’.

Palavras de humildade e obediência e, ao mesmo tempo, de incrível poder. No momento em que ela se confia completamente à vontade de Deus, Maria representa o melhor que a humanidade pode encarnar e oferecer, e o próprio Deus a eleva acima de tudo e de todos.

É assim que também nós devemos viver esta festa, como um convite à humildade, à coragem de nos entregarmos completamente a Deus, sem hesitações, sem perguntas. Se é verdade que é sempre melhor ponderar e abordar escolhas importantes com racionalidade, é igualmente verdade que, em certos casos, devemos contar apenas com a fé, sem pensar nas consequências. Ao aceitar a vontade de Deus, Maria sabia que corria o risco de ser rejeitada pelo seu noivo, mas não hesitou, não pediu garantias. Ela confiava em Deus.

Isto faz dela a cheia de graça, e em seu filho Jesus todo homem pode esperar obter um pouco dessa preciosa graça.

Mesmo antes do nascimento do Salvador, Sua mãe tornou-se a intermediária entre Ele e todos os homens. Se Jesus está no centro da nossa visão do céu, Maria está ao Seu lado, implorando por graças para todos nós. Ela que acreditava no seu Filho antes mesmo de Ele nascer.

A Anunciação na Arte

A Anunciação já foi reproduzida inúmeras vezes na arte sacra. Pense na maravilhosa pintura de Antonello da Messina, ou na Anunciação de Leonardo da Vinci, ou ainda antes a de Giotto ou Bernardo Daddi, e nas várias versões pintadas por Fra Angelico, para citar apenas algumas.

Normalmente, independentemente da época e da corrente artística de referência, pinturas representando a Anunciação do Senhor têm Maria e o Arcanjo Gabriel como protagonistas, geralmente colocados um ao lado do outro em ambos os extremos do espaço.

Em alguns quadros ou afrescos o anjo está em vôo, em outros no chão, em pé ou ajoelhado, enquanto Maria está geralmente sentada, com os braços cruzados, um sinal de submissão. Em algumas representações, ela estende a mão para o anjo, que lhe entrega um lírio. O simbolismo do lírio, uma expressão de pureza, repete-se frequentemente. O quarto de Maria, às vezes vislumbrado atrás dela, também está limpo e arrumado, significando sua modéstia e pureza.

Às vezes as palavras da Ave Maria saem da boca do anjo.

Outros protagonistas da representação podem ser o Espírito Santo, representado como uma pomba, a mão de Deus aparecendo num canto, e o próprio Jesus, associado ou não a Adão e Eva, um sinal da purificação do pecado original que a Sua vinda representa.

adao e eva

Leia também:

A história de Adão e Eva
Quem não conhece a história de Adão e Eva, os primeiros homem e mulher? Mas temos tanta certeza de que realmente os conhecemos?

No Renascimento e no Barroco, a disposição de personagens e elementos simbólicos começou a mudar, criando novas e evocativas visões deste episódio, que ainda hoje continua a ser um tema recorrente na iconografia sagrada.

Presépio de Páscoa, uma antiga tradição a ser redescoberta

Presépio de Páscoa, uma antiga tradição a ser redescoberta

Presépio de Páscoa? Claro que é! No nosso país, é uma tradição antiga e muito amada. Mas quando é que deve ser criado? Quais são as estatuetas características? Vamos descobrir juntos. Todos nós conhecemos, desde a infância, o presépio clássico, aquele feito no Natal. Representa…

O Dia de São Patrício: a festa, as trivialidades e a história

O Dia de São Patrício: a festa, as trivialidades e a história

No dia 17 de Março celebramos São Patrício, Santo Patrono da Irlanda. Uma celebração cheia de alegria, cores (especialmente verde) e música. Mas quem era este santo ainda tão amado pelo povo irlandês em todo o mundo? São Patrício, santo padroeiro da Irlanda, mas também…

Nossa Senhora do Jardim das Rosas representada por vários artistas

Nossa Senhora do Jardim das Rosas representada por vários artistas

O tema da rosa símbolo de Maria é recorrente na arte. Aqui estão as obras mais famosas retratando Nossa Senhora do Jardim das Rosas e o significado desta flor associada a Maria.

A chegada do bom tempo é uma época de renascimento e fertilidade. Maio, o mês da Primavera por excelência, é dedicado à Maria e é o mês em que se celebra o Dia das Mães, na Itália e noutros países. As flores são os grandes protagonistas da primavera: seu perfume e beleza sempre foram interpretados, na arte e na cultura, com significados e usados como atributos para as pessoas ou conceitos.

Em particular, a rosa é frequentemente associada ao amor, pelas suas cores e aromas intensos, pureza e beleza. A rosa é a flor de Maria, que apareceu e foi definida como a Rosa Mística: Maria é a Rainha dos Santos como a rosa é a “rainha” das flores.

As rosas: símbolo de Maria

A ligação entre Nossa Senhora e as rosas está presente na arte desde a antiguidade. Em várias obras, Maria é representada num jardim de rosas ou com uma rosa na mão. O próprio rosário, a oração por excelência dedicada a Maria, retoma a imagem da rosa. Cada Ave-Maria rezada no rosário é como uma rosa oferecida pela Mãe de Deus, e o rosário completo é como um belo jardim de rosas. Às vezes, para realçar esta semelhança, os rosários são perfumados com o perfume de rosas ou outras flores.

Terço Medjugorje rosas lilás cruz vidro Murano
Terço Medjugorje rosas lilás cruz vidro Murano. Terço de Medjugorje composto por rosas cor de lilás em pasta sintética de 20 mm e cruz em vidro de Murano colorida. No medalhão há um cabochom com imagem da Nossa Senhora de Medjugorje e o Cristo Misericordioso no verso.
Compre na Holyart
Imagem Nossa Senhora Rosa Mística resina 30 cm
Imagem Nossa Senhora Rosa Mística resina 30 cm. Imagem em resina de 30 cm, realizada na Itália e pintada à mão com grande atenção nos detalhes.Imagem leve, fácil de transportar, ideal para as procissões. Não adequada por uma exposição permanente no exterior.
Compre na Holyart
Pulseira contas 4 mm em prata 925 rosas em resina cruz e medalha
Pulseira contas 4 mm em prata 925 rosas em resina cruz e medalha. Pulseira com contas, cruz e medalha religiosa em prata 925, enriquecida por duas rosas vermelhas em resina. Elegante jóia para mulher em prata 925 produzida na Itália por uma empresa especializada. Peso: 6,5 gramas.
Compre na Holyart
Chaveiro couro Nossa Senhora do Loreto flor
Chaveiro couro Nossa Senhora do Loreto flor. Chaveiro em couro verdadeiro em forma de flor com imagem da Nossa Senhora do Loreto no centro, realizado de forma artesanal na Itália.Modelo disponível nas cores seguintes:- branca- azul escura- castanho- vermelha.Pode escolher a cor que deseja seleccionando uma das opções no lado da imagem. A COR PODE SER LEVEMENTE DIFERENTE DA FOTO: ESTE PRODUTO É REALIZADO DE FORMA INTEIRAMENTE ARTESANAL.
Compre na Holyart
Terço plástico contas flores multicores 5 mm
Terço plástico contas flores multicores 5 mm. Terço em plástico com contas em forma de flores multicores e cruz clássica em metal.
Compre na Holyart
Quadro floral placa Anjos menina
Quadro floral placa Anjos menina. Enfeite de mesa com parte superior arredondada, realizado em acrílico cor-de-rosa com flores e borboletas e placa central em chapa de prata com Anjo da guarda. Versão cor-de-rosa para menina.
Compre na Holyart

A Virgem do Jardim das Rosas: as obras mais famosas

A Maria retratada em um jardim de rosas é tema de obras de vários artistas. Os dois mais famosos são Stephàn Lochner‘s Madonna of the Rose Garden e Martin Schongauer’s Madonna of the Rose Garden, bem conhecidos em países de tradição nórdica.

A primeira é uma pintura em têmpera e ouro em painel datado de 1440-42. Também se chama Madonna of the Rose Bower. No quadro vemos Maria, carregando Jesus em seus braços, sentada em um jardim exuberante, rodeada de anjos. Atrás dela está uma pérgula na qual crescem um grande número de rosas brancas (representando inocência e pureza) e vermelhas (lembrando a cor do sangue da paixão), juntamente com lírios, margaridas, morangos e acantos.

Madonna of the Rose Bower

A Madonna of the Rose Garden de Martin Schongauer é um retábulo na Igreja de São Martinho em Colmar, datado de 1473. É considerado o trabalho mais importante da artista e é reconhecido pelas flores e pássaros incrivelmente detalhados, pelo manto vermelho de Maria e pelo olhar absorvido da Virgem. Maria segura Jesus em seus braços e está novamente rodeada por um jardim de rosas e plantas exuberantes. A pérgula está pontilhada de pássaros que tornam a imagem animada, enquanto dois anjos em voo seguram uma coroa na cabeça de Maria.

Madonna of the Rose Garden de Martin Schongauer

Outras representações de Nossa Senhora do Jardim das Rosas

Há muitos outros artistas que abordaram o tema das rosas e das flores em suas obras dedicadas a Maria. Em The Virgin at the Fountain de Van Eyck, um famoso pintor flamengo, Maria está perto de uma fonte: atrás de seus anjos há uma tapeçaria e ao fundo há uma sebe de rosas.

The Virgin at the Fountain de Van Eyck

Na composição da Maria do Jardim das Rosas de Stefano da Verona, Maria e o Menino estão rodeados pelas flores e folhas de um jardim de flores. Uma rosa é retratada como caindo sobre o manto azul de Maria, leve e perfumada. Anjos e natureza se alegram com a presença da Virgem.

Maria do Jardim das Rosas de Stefano da Verona

A pintura a óleo da Maria do Jardim das Rosas, de Bernardino Luini, por outro lado, oferece uma cena suave e delicada: Maria é retratada em pose de meio comprimento e o Menino tem o seu olhar voltado para o espectador. Atrás delas, as folhas do jardim das rosas são escuras e criam um fundo uniforme que realça o efeito do matizado e da luz suave sobre os sujeitos. Três rosas brancas se destacam do fundo em torno da figura de Maria.

Maria do Jardim das Rosas, de Bernardino Luini

Finalmente, o grande Sandro Botticelli também produziu uma pintura da Maria do Jardim das Rosas. Maria, em atitude refletiva, segura o Menino em seus braços, viva e atenta; as figuras são enfatizadas pela técnica do claro-escuro. Atrás da Virgem pode ser visto um jardim de rosas em flor.

Sandro Botticelli Maria do Jardim das Rosas

Arcos quaresmais: 5 ideias sobre pequenas renúncias ou coisas a fazer

Arcos quaresmais: 5 ideias sobre pequenas renúncias ou coisas a fazer

Quaresma, um tempo de penitência, oração e devoção. Quais são os exercícios de Quaresma mais adequados para melhor se preparar para a Páscoa? De todos os tempos do ano litúrgico, a Quaresma, o período de cerca de quarenta dias desde a Quarta-feira de Cinzas até…